ANVISA aprova nova imunoterapia para o tratamento de câncer de pulmão 

A nova indicação do uso de pembrolizumabe (Keytruda) tem como base os resultados do estudo KEYNOTE-010 que reduziu em 29% o risco de morte por qualquer causa nesta população quando comparado à quimioterapia padrão.

pembrolizumabe-keytruda-tratamento

A ANVISA aprovou o uso da imunoterapia anti PD-1 da MSD, pembrolizumabe (Keytruda), a partir da segunda linha de tratamento, para os pacientes com câncer de pulmão do tipo Células Não Pequenas avançado, com progressão de doença, durante ou após a terapia padrão com quimioterapia que tenham qualquer nível de expressão positiva do biomarcador tumoral PD-L1 (≥1% de expressão). Os pacientes com alterações dos genes EGFR e ALK, que progrediram depois do tratamento com a terapia específica para o tipo de mutação, também, podem ter acesso ao pembrolizumabe.

Esta aprovação foi baseada nos dados do estudo KEYNOTE-010 em que pembrolizumabe reduziu em 29% o risco de morte por qualquer causa nesta população quando comparado à quimioterapia padrão.

A aprovação de pembrolizumabe, aumenta as opções para pacientes com câncer de pulmão no brasil e esperamos, em breve, aprovação para primeira linha para pacientes com PDL1 > 50%.

Fonte: Oncologia Brasil

 

DIREITOS DO PACIENTE ONCOLÓGICO

Fique atento: cláusulas abusivas no contrato do plano de saúde que limitam o acesso a tratamentos mais modernos e medicamentos de alto custo podem ser consideradas nulas pela Justiça. É dever da operadora de saúde garantir cobertura a diagnósticos menos invasivos e tratamentos com menor toxicidade para que o paciente possa buscar a cura de sua doença.

LEIA MAIS: Planos de saúde não podem negar tratamentos e medicamentos