Medicamento contra câncer de pulmão ganha sinal verde nos EUA

Remédio traz a chance de combater mais cedo este tipo de câncer - e pode abrir um mercado de bilhões de dólares.

Imfinzi-durvalumab

O medicamento de imunoterapia Imfinzi (durvalumab), da AstraZeneca, ganhou um importante aval de reguladores dos EUA para combate ao câncer de pulmão, abrindo um mercado de vários bilhões de dólares para um medicamento que até agora vinha ficando atrás dos concorrentes.

A Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos informou na véspera que aprovou o uso expandido de Imfinzi para tratar pacientes com câncer de pulmão de células com doença inoperável de fase intermediária, que não se espalhou pelo corpo.

O sinal verde - que era aguardado após dados clínicos positivos no ano passado - dá à AstraZeneca a chance de combater mais cedo o câncer de pulmão, tirando vantagem de concorrentes que possuem aprovação apenas para enfrentar doenças em estágio avançado ou metastático.

Especialistas acreditam que usar o Imfinzi (durvalumab) no chamado câncer de pulmão de estágio III, no qual o câncer se espalhou localmente, tem potencial anual de vendas no valor de 2 bilhões de dólares. A farmacêutica consegue, assim, obter uma vantagem de dois a três anos em relação a outras empresas nesta área.

A aprovação baseou-se em um teste envolvendo 713 pacientes, mostrando que eles sobreviveram em média 16,8 meses sem piora do quadro da doença quando usaram Imfinzi, contra apenas 5,6 meses para aqueles em placebo.

LEIA MAIS: Novo tratamento aumenta a sobrevida de pacientes com câncer de pulmão

Em todo o mundo, aproximadamente 30% dos pacientes com câncer de pulmão de células não-pequenas apresentam doença de estágio III. Esses indivíduos normalmente recebem uma combinação de quimioterapia e radioterapia, mas apenas cerca de 15% deles ainda permanecem vivos após cinco anos.

O câncer de pulmão é a grande chance para todas empresas que buscam explorar o poder das drogas modernas de imunocompatibilidade, a principal causa de morte por câncer.

Especialistas preveem vendas de até 50 bilhões de dólares por ano de medicamentos de imunoterapia. Ainda assim, restam desafios importantes como o de decidir sobre os regimes de tratamento otimizado com uso de medicamentos infundidos, já que alguns deles têm preço de tabela de 150 mil dólares por ano.

Fonte: Época Negócios

 

DIREITOS PACIENTE COM CÂNCER DE PULMÃO

FIQUE ATENTO: cláusulas abusivas no contrato do plano de saúde que limitam o acesso a tratamentos mais modernos e medicamentos de alto custo podem ser consideradas nulas pela Justiça. É dever da operadora de saúde garantir cobertura a diagnósticos menos invasivos e tratamentos com menor toxicidade para que o paciente possa buscar a cura de sua doença.