Trastuzumab: apresentação subcutânea chega ao Brasil

A apresentação subcutânea é boa não só para os pacientes mas também para os médicos, enfermeiros e farmacêuticos. A medicação endovenosa tem sua dose calculada pelo peso enquanto a subcutânea é dose fixa, evitando desperdício da droga.

Trastuzumab cancer de mama

Cerca de 20% dos canceres de mama apresentam a expressão da proteína HER-2 em suas células. Essa proteína leva ao crescimento mais rápido do tumor e tornava a doença de pior prognóstico. O Trastuzumab (Herceptin®) está aprovado desde 1998 e então mudou a história desse tipo de câncer de mama em todo o mundo. A droga até então era só feita via endovenosa, ou seja, é necessário a punção de uma veia, demorando cerca de 30 a 90 minutos para aplicação. Já está disponível no Brasil a apresentação subcutânea, que leva de 2 a 5 minutos para ser administrada.

Já disponível na Europa desde 2013, agora chegou ao Brasil a nova apresentação do Trastuzumab (Herceptin®) por via subcutânea. O tecido subcutâneo é a camada de gordura logo abaixo da pele. Várias medicações já são aplicadas dessa forma como a insulina no diabetes e algumas vacinas. É uma via de rápida absorção, geralmente indolor ou pouco dolorido. Deve-se preferencialmente aplicar o trastuzumab na face interna da coxa.

Leia mais: Nova técnica que combina 2 drogas reduz câncer de mama ‘dramaticamente’ em 11 dias

A apresentação subcutânea é boa não só para os pacientes mas também para os médicos, enfermeiros e farmacêuticos. A medicação endovenosa tem sua dose calculada pelo peso enquanto a subcutânea é dose fixa, evitando desperdício da droga.

Mas a maior vantagem é sem dúvida para as pacientes. Levando em conta que a medicação será aplicada durante um ano após a cirurgia do câncer de mama, reduzindo o tempo de aplicação para entre a 2 a 5 minutos, a paciente gastará muito menos tempo no hospital mais tempo para si mesma.

Fonte: Falando sobre Câncer

 

DIREITOS DO PACIENTE

Fique atento: cláusulas abusivas no contrato do plano de saúde que limitam o acesso a tratamentos mais modernos e medicamentos de alto custo podem ser consideradas nulas pela Justiça.

Súmula 95 - TJSP "Havendo expressa indicação médica, não prevalece a negativa de cobertura do custeio ou fornecimento de medicamentos associados a tratamento quimioterápico."

Súmula 96 - TJSP "Havendo expressa indicação médica de exames associados a enfermidade coberta pelo contrato, não prevalece a negativa de cobertura do procedimento."

Súmula 102 - TJSP "Havendo expressa indicação médica, é abusiva a negativa de cobertura de custeio de tratamento sob o argumento da sua natureza experimental ou por não estar previsto no rol de procedimentos da ANS."

É dever da operadora de saúde garantir cobertura a diagnósticos menos invasivos e tratamentos com menor toxicidade para que o paciente possa buscar a cura de sua doença.

Leia mais: Planos de saúde não podem negar tratamentos e medicamentos